.

domingo, 9 de fevereiro de 2020

BASTAM POUCOS MINUTINHOS




Exercício de respiração japonês de apenas dois minutos acelera o metabolismo, queima calorias e ajuda a manter a forma. Novo estudo demonstra que 15 microcaminhadas ao dia, com duração de 2 minutos cada uma, garante vida mais longa. Os grandes benefícios da meditação transcendental podem ser alcançados com um mínimo de duas práticas diárias de 20 minutos cada. Defina seu abdômen em casa com menos de 12 minutos por dia com o AB Max Genis. A happier you in a few minutes a day - yoga 5 minutes miraculous program. O preparo do chá verde não leva mais que 3 minutos. Reserve 10 minutinhos da sua rotina para leitura do Evangelho. Repita as 3 séries de alongamentos ao menos 4 vezes ao dia. Descansar 15 minutos por hora aumenta a produtividade no trabalho, diz artigo de Travis Bradberry publicado no LinkedIn. Fique livre da depressão em 3 minutos minutos e meio, sem remédios, sem internação e sem gastar nada. Take a minute, change your life. Massageie o couro cabeludo em movimentos circulares de 30 segundos a cada meia hora e comprove os surpreendentes resultados no máximo em duas semanas. Ao longo do dia, faça 6 aplicações de compressas quentes com folhas de eucalipto para prevenir lesões musculares ou obter relaxamento. Tire 4 minutinhos do seu tempo para ser grato a todas as bençãos conquistadas e para fortalecer os vínculos com seu anjo da guarda. Técnicas de visualização criativa para você pôr em prática enquanto toma banho. São só 7 minutos diários que valem uma vida. E o que são sete míseros minutos para quem dispõe de um dia inteiro de 24 horas? Então, comece já o seu tratamento. Nossas videoaulas de 1 minuto colocarão você em contato direto com o poder magnético das pirâmides e suas propriedades terapêuticas. Transforme seus sonhos em conquistas com nosso revolucionário método de aperfeiçoamento instantâneo do lado direito do cérebro - onze minutos após o almoço, onze minutos após o jantar, onze minutos antes de dormir. 

Entre uma coisa e outra, é preciso trabalhar, estudar, comer, dormir, resolver um sem número de problemas pendentes e ficar preso no trânsito. Se o dia não tivesse 48 horas, difícil imaginar o que seria da raça humana. 


© Direitos Reservados
Esta é uma obra de ficção.

domingo, 19 de janeiro de 2020

COMPROVANTES INCOMPROVÁVEIS




Simples. Mais simples, impossível. Forjamos uma pane no sistema de armazenamento de dados do banco e botamos a culpa num hacker que invadiu o nosso Data Center e apagou tudo. Chamamos a imprensa e fazemos um belo barulho em torno da coisa. Depois solicitamos aos clientes os comprovantes de depósito das aplicações - para que possamos reconhecer e autenticar os investimentos feitos. Usaremos como argumento a necessidade de comprovação da parte do investidor, já que a nossa documentação terá "se perdido".

Quem tiver salvo os comprovantes em PDF no computador, estará também a salvo. Agora, quem confiou no comprovante físico, em papel termossensível (também conhecido como papel térmico, aquele que o caixa entrega grampeado no documento) se verá em péssimos lençóis. Como quase todos os pequenos aplicadores enfiam tudo em uma gaveta ou pasta, sem se preocupar em escanear e guardar uma cópia que se mantenha legível ao longo do tempo, o prejuízo afetará milhões de indivíduos. Especialmente os mais incautos, que desconhecem o risco que correm e costumam fazer a transação na boca do caixa.

Toda a Diretoria sabe muito bem que, dependendo das condições de luz e calor em que forem armazenados, estes comprovantes são legíveis por um prazo que varia de alguns dias a no máximo poucos meses. Jamais aos cinco anos exigidos geralmente pelo fisco.

O inventor desse negócio devia estar a serviço de algum banqueiro, não há outra explicação possível. O papel térmico parece ter sido  concebido para que aconteça exatamente isso. Não dá para entender como a legislação que rege o setor bancário substituiu a boa e velha autenticação mecânica por esta tecnologia tão frágil e sujeita a fraudes. Ganharemos milhões, juridicamente amparados. 

É claro que, no fim das contas, passaremos por bonzinhos - pois devolveremos o dinheiro. Vamos deixar por uns dez anos o processo se arrastando na justiça (as ações judiciais dos investidores contra nós, do banco). Aí então proporemos um acordo, assumindo o "desastre" da pane do sistema como responsabilidade nossa e sugerindo o pagamento do montante investido com juros de poupança. Os investidores, que a essa altura já estarão dando a demanda por perdida, aceitarão aliviados. Só que até a homologação do acordo nós já teremos multiplicado esse dinheiro por vinte, oferecendo empréstimos ao mercado a juros escorchantes.

Simples. Mais simples, impossível. 


Esta é uma obra de ficção.
© Direitos Reservados
Imagem: https://tabscanner.com


domingo, 12 de janeiro de 2020

QUASE BEGINNER




- Speaking Better - O Inglês dez - boa tarde! Com quem eu falo?
- Higino.
- Pois não, Sr. Higino, diga-me em que posso ser útil.
- Eu queria cancelar a matrícula que fiz anteontem, na classe dos Beginner.
- Mas, Sr. Higino, a que se deve esta sua decisão?
- Muama Enence.
- Não entendi, poderia repetir por gentileza?
- Muama Enence. Logo, logo você e todos aí vão entender direitinho. Esta é uma das marcas, tem também o Trevis Touch, o ili e mais um monte, viu.  
- Tá certo, mas o que este Muama tem, a ponto de fazer o senhor desistir do nosso maravilhoso curso?
- Tradução instantânea para conversação em 40 idiomas. É mole, fubá? Tá bom pra senhora ou quer mais?
- Compreendo, tipo Google Translator, né? 
- Nananinha, o tradutor do Google é burraldo. Bom pra dar risada, traduz umas coisas que nem o nariz dele. Esse dá conta legal, é pá-pum, falou tá falado e entendido. É conversação mesmo, em qualquer lugar do mundo. E não precisa de internet pra usar.
- Sr. Higino, pensa bem. O senhor vai se sentir um rude troglodita usando esta traquitana. Ficar pra cima e pra baixo com este aparelho a tiracolo equivale a um atestado de idiotice com validade no mundo inteiro. 
- Ah, tão bom. Você só pode achar isso, vão acabar com a começão de dinheiro de vocês. 
- O bacana mesmo é não precisar de tradutor instantâneo. É demonstrar ser fluente na língua, sem nenhum gadget-muleta. Imagina só o constrangimento, o senhor em uma reunião internacional de negócios, tendo que ficar com essa coisa entre o senhor e seu cliente. O raciocínio que seu cliente vai fazer é o seguinte: se este cara é suficientemente preguiçoso para trocar uma formação decente em inglês por uma pechincha de 200 reais, também irá fazer "nas coxas" o que eu encomendar a ele. Usar este recurso barato será sinal de fraqueza. 
- Olha, dona, se é fraqueza ou não, eu sei é que fiz as contas aqui e vou economizar anos e anos de mensalidade de escola de idiomas. E também não vou perder tempo - tanto na sala de aula, quanto no trânsito para chegar até aí. 
- Eu insisto, Seu Higino. Legal é se sentir um nativo, não só falando mas também pensando em outro idioma. Imagine o quanto subirá sua cotação junto aos parceiros internacionais... 
- Então, mas já pensei bastante, vou cancelar a matrícula mesmo. 
- Senhor Higino, para tê-lo como aluno, nossa escola tem uma condição excepcional e irrecusável: três meses grátis.
- Não quero, dona...
- Tudo bem. Caso o senhor mude de ideia, é só entrar em contato. See you later!
- Cuma?
- See you later...
- Espera aí, deixa ver aqui no aparelhinho. Fala de novo aí, faz favor.
- See you later.
- Ah, beleza. A gente se vê, sim.



© Direitos Reservados
Imagem:http://bookempa.org/

domingo, 5 de janeiro de 2020

MEU QUERIDO PODCAST




Os podcasts chegam chegando. Nada nem ninguém será capaz de deter sua avassaladora invasão. Como lebistes de aquário, reproduzem-se aos milhões e provavelmente, a esta altura, devem estar duplicando sua população a cada quinze dias. Dentre tantos, alguns se sobressaem pela originalidade ou valor utilitário, passando com louvor pelas provas da fila de banco e do trânsito engarrafado. 

PODCAST DO IT YOURSELF
Faça você mesmo seu podcast, por meio de tutoriais detalhados e cheios de dicas superespeciais para "causar" neste novo e promissor circuito.

PODCAST PARA SURDOS
Possui tudo o que caracteriza um podcast convencional, com a diferença de ser gravado em vídeo e na linguagem Libras. Na verdade é um videocast, mas o importante neste caso é ser inclusivo e trazer o surdo para o universo podcast, mesmo que inaudível.


POD OU NÃO POD CAST?
Produzido pela Igreja da Gloriosa Vitória na Redenção Libertária, em episódios diários de 15 minutos. O formato é de perguntas e respostas, onde o Reverendo Falklander elucida os fiéis sobre o que é permitido e o que é vedado ao rebanho, à luz da tradicional doutrina.

PODCASTO
Como manter a virgindade, feminina ou masculina, em um mundo onde tudo converge para a mais desenfreada sem-vergonhice? Se este é o seu dilema, este é o seu podcast. 

GRANDE SERTÃO: VEREDAS / A MONTANHA MÁGICA / ILÍADA / ODISSEIA / ULISSES (JAMES JOYCE)
Todas estas obras-primas em palatáveis drops, para os amantes dos clássicos e os interessados em encarar esse cipoal semântico sem ter que cansar a vista.

ZERO dB - THE LATEST VERSION
Sete dias por semana, uma hora e meia de silêncio absoluto para baixar e desfrutar. Um verdadeiro bálsamo contra o doentio burburinho urbano, substituindo com vantagens os protetores auriculares das melhores marcas. Zero decibel garantido, para sua meditação, sogras peçonhentas, chefes rabugentos, cunhados insuportáveis e tios do pavê.

PODCAST "OUVIDOS MOUCOS"
Quem disse que as fake news são privilégio exclusivo das redes sociais? Não, não e não: ouvintes de podcasts não poderiam ser colocados à margem da irrealidade nua e crua. Ainda que jamais se deva dar ouvidos a ela. 

PUXE CONVERSA
Nada como um providencial podcast de assuntos variados para livrá-lo da falta do que falar. Do elevador à sala de espera das clínicas de impotência, safe-se de vez dos mais incontornáveis embaraços. Basta colocar os fones de ouvido e ouvir miríades de sugestões para engatar um animado papo. 

BULA CAST
Ler bula, uma das mais maçantes tarefas já concebidas para o ser humano, pode ser algo um pouco menos odioso com a ajudinha destas pílulas, up to date com os últimos lançamentos da indústria farmacêutica. 

TEM GENTE!
Um providencial dispositivo, instalado ao lado do compartimento de papel higiênico, em banheiros públicos ou privados, pode abastecer seu smartphone com variado conteúdo - ainda que sejam horas e mais horas de constipação intestinal que o ouvinte tenha pela frente. 


© Direitos Reservados

domingo, 29 de dezembro de 2019

NÃO SOBROU BYTE SOBRE BYTE




No dia 1 de janeiro de 2020, lembro bem, a internet explodiu. Mandou tudo e todos para uma imensa lixeira sem backup. Deixou o mundo na mão. Não se tem ainda um balanço de quantas vidas se perderam, mas cálculos aproximados indicam que todas, à exceção de um ou outro aborígene. Só sobrou mesmo corpo e alma do que se convencionou chamar de "pessoas", que como se sabe não possuem serventia virtual alguma. 

Sempre que se falava em "explosão da internet" se entendia o sentido figurado, de sucesso estrondoso, nunca a explosão em si. "A internet vai explodir - disse há algum tempo, o noticiário pode confirmar. Deram risada de mim", afirmou uma famosa vidente, reivindicando a autoria da previsão. Mas o noticiário não pode confirmar, já que todos os registros desapareceram para sempre.

Se alguém encontrar esta mensagem, passe adiante de alguma forma. É verdade este bilete.


PS: vendo 2 carretéis de fita de máquina de escrever. Interessados, batam palmas em frente de casa. Valor a combinar. Só venda, não aceito troca. 




© Direitos Reservados
Esta é uma obra de ficção. 
Imagem: http://mundoantigoecia.blogspot.com/

domingo, 22 de dezembro de 2019

MIOJO VENCIDO




Legisladores imbecis, sem pauta, sem escrúpulos e sem ter o que fazer em Brasília, resolveram perseguir a nós, valorosos Lamens.

Um dos projetos a serem apreciados no Congresso determina que Lamens fora do prazo de validade teriam de ir para ONGs de animais abandonados, o que para nós - com todo respeito aos cães e gatos de rua - é um desprestígio e uma afronta. Fomos concebidos para o consumo humano!

Sairemos às ruas e entoaremos o nipo-espaguético canto de guerra, que orgulha a categoria miójica e que tantas conquistas inspirou ao longo de nossa história: Miojos vencidos também serão cozidos! Miojos vencidos também serão cozidos! Miojos vencidos também serão cozidos!

Nossa união começa dentro da embalagem. Só conseguem nos separar às custas de muita martelada ou com água fervendo, e ainda assim após 3 minutos em fogo alto. Depois continuamos juntos na gororoba formada no prato, prosseguimos unidos no estômago do esfomeado e agarrados uns aos outros nos manteremos até a conclusão do trato digestivo, que todos sabem muito bem qual é. Melhor não entrar em detalhes. 

Nos últimos anos, temos sido classificados pelas agências reguladoras como "alimento processado". O que causa indignação é que estamos sendo alvos de ação na justiça sem que tenhamos acesso ao conteúdo do processo ou mesmo à notificação da denúncia, para que possamos elaborar a nossa defesa.

Não nos conformaremos, de maneira alguma, com esta perseguição orquestrada. Nossa ascendência oriental nos dá a dignidade e a honra de verdadeiros samurais, não aceitaremos cair por terra sem antes lutarmos até exaurirmos nossas forças. E se enxergarmos o fim próximo, preferiremos mil vezes o harakiri do que a lata do ixo. 

E não é só isso. Organizações antirracismo também se manifestam caluniosamente contra os Lamens de forma geral. Alegam que o formato do produto faz apologia do cabelo claro e cacheado – características do macarrão caucasiano, do qual o exemplo mais conhecido é o chamado “cabelinho de anjo”. Não existe uma versão negra, com massa à base de feijão, berinjela ou azeitona preta, simulando os cabelos crespos dos afrodescendentes. Desejamos que os fabricantes atentem a esta necessidade, oferecendo mais opções de cores e sabores e conferindo aos macarrões de preparo rápido uma pluralidade que reflita a miscigenação da nossa sociedade.

O momento é de inclusão. Somos instantâneos e, por isso mesmo, cada vez mais aptos ao estilo de vida dos novos tempos, onde um almoço ou uma janta que dure mais de 10 minutos pode ser motivo de demissão por justa causa. Porém, por mais instantâneos que sejamos, temos uma longa história a preservar, uma tradição secular que precisamos levar adiante junto às novas gerações. 

O desprezo na prateleira, servindo de banquete para os carunchos, é a maior de todas as vergonhas para um Lamen legítimo, de alta estirpe. Não faz sentido, para um alimento, apodrecer sem serventia. LAMENtável!




© Direitos Reservados

domingo, 1 de dezembro de 2019

LA MIJONA




- Fica firme, não se mexe de jeito nenhum. Não pisca, olha fixo pra mim.
- Se demorar mais um pouco, de Monalisa eu vou virar Mona Enrugada. Ninguém aguenta isso, Leonardão...
- Segura um tiquinho mais aí. Misericórdia, segura mais um pouquinho só. Manda aquele sorriso enigmático que só você sabe fazer... Isso... faz e segura. Pensa que o seu marido, aquele mercador que não dá valor ao que tem em casa, está viajando para as Índias e você está livre para fazer tudo o que tem vontade... Tudo, tudo, tudo mesmo. 
- Assim?
- Quase. Levanta um pouco mais a cabeça e para de pensar nessa sacanagem que você imaginou aí. Preciso de um meio-termo, compreende? Uma expressão que faça as pessoas refletirem, ficarem intrigadas. Não vamos entregar o sentido, assim tá vulgar. Está libidinoso demais. Sei que você pensou em mim e fico lisonjeado com isso, mas menos. Bem menos, Mona.
- Bom, então eu vou fazendo caras e bocas até você achar que está bom. Quando chegar no que você quer, me avisa que eu congelo.
- Estufa bem o peito, vamos deixar este decote mais insinuante. É, quase isso, mantenha bem reta a coluna.
- Perfeito, só que desmanchou o sorriso, Mona.
- Ô, Dio mio! Ou eu presto atenção no sorriso ou nessas instruções de postura, não consigo controlar tudo ao mesmo tempo.
- Agora é dar uma esfumada aqui nos cantos dos lábios.
- Fumar? Posso dar um intervalo pra fumar? 
- Não, não... esquece o que eu falei, fica firme aí. 
- Viu, será que rola um limoncello daqui a pouco? Pra relaxar, sabe. Já tem umas três horas que estou aqui.
- Minha querida, entenda que estamos vivendo um momento histórico. Pode ter certeza de que daqui a 500 anos ainda estarão falando da gente. Posso até imaginar o quadro pronto e exposto, protegido pela polícia e por cordão de isolamento, num museu imenso. Milhares de pessoas por dia pagando uma senhora grana para ver - e de longe - o que vai sair desse pincel daqui a pouco. 
- Se acha, né? Vai inventar helicóptero que dá mais certo, cáspita.
- Imagina só, gente do outro lado do mundo, cruzando mares só pra te ver. Chineses vindo em arrastão ao museu onde o seu retrato vai ficar, tendo que dar uma olhadinha rápida e sair logo, pra entrada de outra leva de chineses, e assim ininterruptamente, sete dias por semana. Em lugar de navegadores italianos arriscando a vida para conquistar territórios no Novo Mundo, a América desembarcando em massa para se extasiar com seu rosto misterioso, minha musa florentina.
- Aham... aí você acordou?
- Falo sério, querida. A pintura está prontinha aqui na minha cabeça, mas você precisa colaborar um pouco. Por que tá encolhendo a barriga?

- Tô é segurando a bexiga... me libera pra um xixizinho básico, Leo!!!

- Se o problema era esse, já devia ter falado. Pega isso aqui, ó. Coloca debaixo da saia e fica à vontade, não precisa ir até o banheiro. Se preferir, eu viro as costas pra você não ficar com vergonha.

- Que estranho esse negócio. Eu seguro aqui na alça?

- Isso.

- Só você mesmo, Leo...

- Minha última invenção. Chama-se penico. 



© Direitos Reservados